quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Pelos olhares trocados e pela vontade de rir
Pelos beijos bem dados e a ilusão de sentir
Pelas palavras atiradas tão duras que chegam a ferir
Até jorrar o sangue vermelho e sujo
Assim como a vontade de te ter e de sair correndo
como uma criança que acha um brinquedo novo e esconde pra que ninguém pense que não é dela mesmo.
Lágrimas rolando e pensamento alados
Palavras curtas, nomes curtos dissonantes. (di)sílabos.
Esquecer ou jogar no rio
Escrever o que se viu e deixar que o vento leve ou queime
Até que que se transforme em cinza e perca a cor do desejo
E vire pó
Vire branco
vire nada
vire só.
O cinza da memória
Clareia
O vermelho do desejo
Incandeia
O branco
Se limpa

Um comentário:

Talita Oliveira disse...

gostei muito desse post.